Criolipólise

Ativar Poderes: Congela!!!
Adeus Gordura?
Saiba mais.
1
Mais novo método dermatológico para eliminar gordura localizada sem cirurgias, a criolipólise parece que veio para resolver todos os problemas. O tratamento não é nada invasivo e elimina a gordura localizada por resfriamento.
2
“O número de células adiposas no nosso organismo em geral não varia. Quando engordamos, as células gordurosas ou adipócitos aumentam de tamanho e quando emagrecemos, elas diminuem. Nos procedimentos onde os adipócitos são removidos (lipoaspiração) ou destruídos (criolipólise), a gordura desta área tende a não voltar e se o paciente ganha peso, as outras áreas ficarão mais intumescidas, levando a um aspecto ondulado e desnivelado próximo à área tratada”, explica a fisioterapeuta Dermato funcional, Lucely Lustre, do Espaço Lucely Lustre.
3
O tratamento é feito com um aparelho chamado que apresenta uma ponteira acoplada à região que se pretende diminuir a área de gordura. A paciente fica por cerca de uma hora com esta ponteira, que atinge uma temperatura em torno de 2°C, cristalizando as células gordurosas do local. Após três semanas elas morrem e são eliminadas através da urina e das fezes. Em geral são indicadas de uma a duas sessões com intervalos de dois a três meses.
4
A recuperação também é tranquila, apenas algumas mulheres sentem alteração de sensibilidade local e um desconforto por algumas semanas. Entre seis e oito semanas aparecem os primeiros resultados, mas as células de gordura continuam a ser eliminadas por até quatro meses após o procedimento, dependendo do organismo de cada paciente. A modelagem só será mantida se a paciente não aumentar seu peso corporal.
5
6
7
8
9
10
Portanto, para quem tem o corpo sempre em dia e apenas não está contente com alguma gordurinha sobrando, é uma boa opção. “O método é indicado para pessoas saudáveis e que realmente precisem perder uma área pequena de gordura localizada. Aquelas que estão dentro de uma faixa de peso ideal, que se exercitem e que apesar de uma dieta saudável e dos exercícios, mantêm pequenas áreas de gordura localizada. Grávidas e pessoas com urticária ao frio não podem se submeter a este tratamento, ou que tenham lesões de pele no local a ser tratado”, orienta Lucely.
11
Por isso procure sempre um profissional capacitado e especialista no procedimento, assim como eu! Frequento e indico o Espaço Lucely Lustre que é a clinica oficial com os cuidados de beleza da Fabi. Em breve mais dicas pra vocês Bonitas! Beijos!
12

Dieta do Jejum Intermitente – 5 Protocolos para Perder Gordura

image1

 

Um dos mitos do emagrecimento é a necessidade de comer muitas refeições pequenas ao longo do dia, mas estudos mostram que não há vantagem em comer refeições pequenas com mais frequência. Então como podemos otimizar a perda de peso comendo menos refeições? Sim, e a resposta pode ser o jejum intermitente.

 

image2

 

O jejum intermitente consiste em restringir limitar a ingestão de alimentos em um período limitado. Este método está cada vez mais popular pelos seus resultados e por ser tão prático de seguir.

 

Beauty/fashion picture of a woman holding a fork in front of her mouth.[url=http://www.istockphoto.com/file_search.php?action=file&lightboxID=3064977]Click here for more pictures of this model![/url]

 

Este plano envolve dias de restrição calórica extrema, dias de alimentação normal e dias com uma ingestão calórica elevada. Existem várias formas de fazer o jejum intermitente, que vamos falar a seguir.

 

image4

 

Um exemplo de jejum intermitente é não ingerir alimentos durante 16 horas, e comer todas as refeições nas 8 horas restantes. Outro exemplo é fazer jejum durante 20 horas e ingerir todos.

 

ImageProxy

 

Os alimentos em uma janela de 4 horas. Alguns protocolos indicam parar de comer durante um dia inteiro, e comer só no dia seguinte.

Para perceber a teoria atrás do jejum intermitente necessário ter em mente que o jejum é tão antigo como o homem. Sem contar os últimos cinquenta anos, comer três ou mais refeições diárias nunca foi uma rotina para o ser humano. Os nossos antepassados ficavam dias sem comer até caçarem uma presa, e depois comiam muito durante alguns dias.

 

image5

 

Pesquisas sugerem que o nosso organismo reage bem ao jejum e que os hábitos alimentares atuais desregulam o nosso metabolismo e pioram a saúde.

 

image6

 

 

Glúten e lactose: tirá-los da dieta enxuga as medidas?

3

Muitas famosas cortaram o glúten e a lactose do cardápio, mas será mesmo que eles nossos inimigos? Foto: Sheila Oliveira e Empório Fotográfico

Muitas famosas cortaram o glúten e a lactose do cardápio, mas será mesmo que eles nossos inimigos?
Foto: Sheila Oliveira e Empório Fotográfico

image5

image6

Quando percebe alguma gordurinha na região da cintura, a atriz Letícia Spiller, risca da dieta alimentos com glúten e lactose. Em poucos dias, o abdômen desinfla e o extra vai embora. Juliana Paes cortou o glúten para voltar à forma depois do nascimento do primeiro filho, Pedro. Giovanna Antonelli faz o mesmo: controla o consumo de glúten para manter em dia a elegância. Luciana Gimenez afirma ter recuperado as medidas após a gravidez de Lorenzo, seu segundo filho, adivinhe como? Tirando o glúten.

Repudiados publicamente por mulheres lindas e admiradas, o glúten e, em segundo plano, a lactose viraram nos últimos meses os grandes inimigos de quem quer manter a linha. Será que a fama é justa? BOA FORMA ouviu especialistas para investigar se vale a pena você fazer o mesmo – e se o resultado será tão visível quanto o das celebridades.
 
A vida sem pão
O glúten é uma proteína presente no trigo, no centeio, na cevada e na aveia (em menor quantidade). É ele que confere aquela consistência fofa aos produtos industrializados, sendo usado especialmente em pães, bolos e massas. Alimentos tão diferentes como cerveja, requeijão e sorvete também podem conter glúten. Com base nisso, é possível pensar que, sim, ao suprimi-lo da dieta – e, por tabela, excluir itens calóricos, como a macarronada do domingo e o pão francês do café da manhã – você emagrece naturalmente. Mas a questão não é simples assim, já que, em termos de troca calórica, o pão sem glúten, à base de fécula de batata ou polvilho, praticamente empata com o tradicional. 
 
Então, como as celebridades perdem peso ao retirar essa substância do cardápio? “Apesar de o Brasil ter poucas pesquisas sobre glúten, sabe-se que boa parte da população tem alguma dificuldade com ele”, informa a médica nutróloga Samantha Enande, de São Paulo. Essa proteína pode não ser absorvida pelo organismo, causando distensão abdominal e desconforto. Também é responsável por desacelerar o metabolismo, já que demora mais para ser processada. É por isso que, sem ela, a tendência é desinchar e reduzir medidas. “A simples subtração do glúten pode render 3 quilos a menos em três meses”, calcula Samantha. Porém, passado esse período, o organismo se habitua à nova situação. De qualquer maneira, passar um tempinho sem pão e massa funciona como um pontapé inicial para um corpo mais enxuto. Faça o teste: tire esses alimentos do cardápio por 30 dias e observe a resposta do seu corpo. 

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Só para lembrar: a obesidade é um processo inflamatório do organismo com múltiplas causas. “Quem tem um alto consumo de uma proteína difícil de ser digerida, como o glúten, está arriscado a desencadear uma inflamação nas paredes do intestino e, com isso, comprometer a absorção de micronutrientes importantes”, explica a nutricionista Denise Madi Carreiro, autora do livro Alimentação, Problema e Solução para Doenças Crônicas (editora da autora). O excesso de peso pode ser associado, por exemplo, à carência de ômega 3, vitaminas e minerais, e não ao excesso deles. “A retirada do glúten do cardápio equilibra o organismo especialmente de pessoas sensíveis a ele. Isso diminui os processos inflamatórios, melhorando a absorção dos micronutrientes, o que abre caminho para a perda de peso”, diz Denise.

image1

Desvantagens
Tem gente que engorda quando corta o glúten, portanto, cuidado! “Se a pessoa não tiver intolerância e suprimir o glúten para perder peso, pode sentir mais fome e comer em excesso”, alerta Samantha Enande, que acompanhou experiências assim na clínica médica. “Nesse caso, o jeito é devolver o glúten à dieta para garantir a saciedade. Mas é importante dar preferência à versão integral e, para que a perda de peso aconteça, deve ser combinado com fontes de proteína magra (peixe, frango, ovo) e de gordura boa (azeite extravirgem, castanhas, sementes de chia e linhaça) em proporções adequadas.” Outro problema: alimentos sem glúten costumam custar até o dobro de seus similares tradicionais, além de serem calóricos. 
 
Vai ser bom para você?
Depende. Segundo Samantha, a resposta é boa na maioria dos casos, com perda de medidas, o que mostra a existência de algum grau de intolerância ao glúten. 
Pessoas com sensibilidade leve podem, ainda, experimentar a sensação de bem-estar e disposição. A memória e o raciocínio também podem ser beneficiados, já que a dificuldade para 
processar o glúten consome muito oxigênio. E, sem essa fonte de stress para o organismo, são comuns os relatos de melhora na atuação do cérebro. “Do ponto de vista da fisiologia, tirar o glúten não faz mal, mas é preciso cuidado com o que se põe no lugar”, avisa Denise. “Os carboidratos dos pães e das massas são fontes imprescindíveis de energia e, caso tenham que ser suspensos, devem ser substituídos por alimentos variados, com um bom valor nutricional e com as calorias próximas às do trigo, como tapioca, farinha de arroz, araruta, fécula de batata, polvilhos doce e azedo, milho, mandioca e trigo-sarraceno.
 
Alergia é o mesmo que intolerância?
São duas situações diferentes. Fala-se em alergia quando a reação adversa a um alimento desencadeia um mecanismo imunológico. “As reações podem ser leves, como uma coceira na pele, ou graves, como o choque anafilático, em que a vida é colocada em risco”, explica a médica especializada em alergias Loraine Landgraf, de Curitiba. Pode ser desencadeada por vários alimentos, porém os mais comuns são: leite de vaca, ovo, trigo, peixe e crustáceo. Para reverter o quadro alérgico, além de medicamentos específicos, é essencial suspender o consumo do alimento desencadeante. Menos grave, a intolerância provoca mal-estar, desconforto, gases e distensão abdominal e pode ser tratada apenas com ajustes na alimentação.
 
Glúten de jeito nenhum! 
Outra história é a doença celíaca, uma doença autoimune, desencadeada pelo glúten, que altera profundamente a textura da parede intestinal, prejudicando a absorção dos nutrientes. “A mucosa do intestino, que deveria ser enrugadinha, fica praticamente lisa ou atrofiada no grau quatro da doença, o mais avançado. E, com isso, a absorção dos macro e micronutrientes fica prejudicada”, explica Loraine Landgraf, médica especialista em alergia e imunologia, de Curitiba, diretora da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (Asbai), regional Paraná. Resultado: a pessoa não ganha peso e tem sintomas como diarreias frequentes, inchaço abdominal e gases. A biópsia de intestino é o teste que confirma com 100% de certeza o diagnóstico da doença celíaca. Há ainda um exame de sangue que rastreia a presença de três anticorpos relacionados à doença. 
 
A vida sem leite 
Mesmo quem ama esse alimento e acha difícil viver sem ele deve prestar atenção nos sinais do organismo. Segundo a Associação Americana de Gastroenterologia e Nutrição, 85% da população adulta tem algum grau de intolerante à lactose, o açúcar do leite. “Não fomos feitos para consumir leite após os primeiros anos de vida”, afirma a médica Loraine Landgraf. A produção de lactase, enzima responsável pela quebra desse açúcar, diminui com os anos e, sem ela, a lactose, mal digerida, provoca distensão abdominal, retenção de líquido e sensação de estufamento – que diminui muito quando se tira o leite do dia a dia. “Não é garantia de que haverá perda de peso”, explica Loraine. “O que ocorre é que o organismo elimina melhor as toxinas. Com isso, a pessoa desincha e tem a sensação de o corpo ficar mais sequinho. Cortar o leite pode melhorar até o aspecto da celulite.” 
 
Também no caso do leite não resolve trocar o integral pelo desnatado, pois o que se retira dele é a gordura, e não o açúcar. Se for impossível renunciar a esse alimento, então é melhor você buscar um tipo de leite sem lactose. E os derivados? Queijo e iogurte contêm muito menos lactose, e a maioria das pessoas intolerantes a ela consegue consumi-los, segundo o professor e especialista em nutrição canadense Joe Schwarcz, autor do livro Uma Maçã por Dia – Mitos e Verdades sobre os Alimentos que Comemos (Zahar). De qualquer maneira, é bom fazer um teste: cortar até os derivados por um tempo (de 20 a 30 dias) e, quando voltar a incluí-los no cardápio, observe como seu organismo reage. 
 
Desvantagens
Embora a natureza seja pródiga em fontes de cálcio, como as folhas verde-escuras e as leguminosas, Loraine Landgraf recomenda para casos de intolerância a suplementação via oral, associada a uma dose de vitamina D, responsável por conduzir o cálcio para dentro dos ossos. Já a nutricionista Denise Madi defende que o consumo regular de legumes, verduras, cereais integrais e sementes (incluindo quinua, amaranto e gergelim) garante um aporte de cálcio de excelente absorção. Isso porque esses alimentos contêm minerais e vitaminas em proporções adequadas para agir em parceria com o cálcio. “O ideal é comer legumes e verduras no almoço e no jantar todos os dias, além de cinco ou seis porções de frutas (uma a cada duas horas e meia)”, orienta a nutricionista. 
 
Vai ser bom para você?
Quando os sintomas são muito acentuados, vale a pena você se submeter a um exame de sangue que detecte a intolerância à lactose. Consiste em três coletas 
intervaladas de sangue: a primeira em jejum e as demais após o consumo de leite. “Mede-se a glicemia, isto é, o açúcar no sangue. Se aumentar, é porque o organismo digeriu a lactose. Se não, está caracterizada a intolerância”, explica Loraine.

Pratos congelados light

Muita gente vem descobrindo e fazendo dieta com os famosos pratos prontos light que são vendidos por empresas especializadas em refeições saudáveis.

image1 (1)

É prático, fácil e tem tudo o que a gente precisa comer, nas quantidades certas e balanceadas.

O defeito? O efeito colateral:

O PREÇO.

Entretanto o custo benefício pode valer a pena!

image4 (1)

A Dieta Dukan, por exemplo, está lançando agora um serviço de delivery de refeições prontas compatíveis com o método de emagrecimento criado pelo médico francês Pierre Dukan. Assinados pelo chef Matheus Freiha , da Dieta Bistrô, os 24 pratos são frescos e entregues na casa dos clientes de São Paulo 48 horas após o pedido ser realizado.

image6

Quem quiser comprar os pratos vai ter que desembolsar cerca de R$ 24,90 a R$ 27,90 por refeição, que atendem às fases de ataque e cruzeiro e serão vendidas em kits.

Fazendo uma conta rápida, a pessoa que seguir por um mês a Dieta Dukan usando as refeições prontas vai gastar quase R$ 1.500,00. Ainda que haja pacotes promocionais e combos com desconto, o valor não deve fugir muito disso.

image5

Outra empresa que vem conquistando cada vez novos consumidores é a Keep Light. o kit de emagrecimento de 1.000kcal que vem com as 6 refeições diárias vai desembolsar R$ 1.720,00 para passar o mês.

image2

E tem uma série de outras empresas sérias que atuam nesse mercado, a já antiga Congelados da Sonia. Quem opta pelas 4 semanas de spa em casa – programa para emagrecimento, vai gastar R$ 1.081,40, de acordo com o preço divulgado no site dessa empresa.

image3 (1)

Por que não consigo perder peso?

blog contar calorias

 

Texto da nutricionista Andrea Lane do blog do Contar Calorias.

 

Por que eu não consigo perder peso?

Essa é uma das perguntas mais feitas que recebemos, pessoas não entendendo porque não conseguem perder peso. Geralmente é algo como isto :

Treino todos os dias e como direito. Já faz um mês e não vejo nenhuma mudança na balança. Isso soa como você ou alguém que você conhece? Se a resposta for sim, saiba que você não está sozinha.

O problema é a sua dieta

O problema é quase sempre (sim, há exceções) a dieta. Muitas pessoas empenhadas em perder peso pensam que sua dieta é adequada mas, na realidade, geralmente a dieta é preenchida de grãos processados ​​e alimentos ‘light’ ou com ‘zero’ calorias. Essas dietas geralmente não tem os nutrientes adequados para abastecer a perda de gordura.

Além disso, no início de um programa de condicionamento físico , o seu peso pode variar rapidamente, ou até mesmo aumentar. O exercício adicional cria reservas de glicogênio maiores para alimentar seus treinos. Estes estoques de glicogênio ampliam e armazenam água dentro do músculo. Cada grama de glicogênio pode armazenar cerca de 3 gramas de água, por isso você pode notar um certo aumento de peso. Mas isso é bom peso!

Você está malhando mas ganhando peso, como assim? Aqui está o porquê…

Meu próprio plano pessoal de Nutrição

Aqui está o que comer no dia-a -dia. Esta é uma dieta ideal para perder uma média de 0,5-1 % de gordura corporal por semana, para ganhar ou perder peso. Os alimentos permanecem os mesmos, é apenas o tamanho das porções que variam. Será que você está comendo calorias suficientes? Ou recebendo nutrientes suficientes?

 

Refeição 1:

 

Super Shake- leite, 1 colher de sopa de semente de linhaça, 1 colher de chá de óleo de peixe, espinafre e 2 xícaras de frutas mistas (banana, laranja, maçã, uva, kiwi, manga, coco, cerejas)

 

Refeição 2:

 

Super Salada- 200gr de frango, espinafre, pimentão (laranja, vermelho, e amarelo), sementes de romã, tomate, cenoura, sementes de abóbora, pepino, cebola, queijo parmesão, azeite de oliva e vinagre.

 

Refeição 3:

 

200gr de frango, 2 batatas doce, 1/2 xícara de feijão.

 

Refeição 4:

 

Bolo de carne moída: preparado com carne magra, molho de tomate, cebola, iogurte grego, couve-flor.

 

Refeição 5:

 

1/4 xícara de nozes e castanhas variadas, 1 colher de sopa de manteiga de amendoim natural, 1/ 2 xícara de iogurte grego, 1/ 2 xícara de frutas vermelhas, 1 colher de chá de mel.

 

Observe como 90% desta dieta é de alimentos integrais. Esta dieta é recheada com uma grande variedade de frutas e legumes e extremamente densa em nutrientes – fornecendo tudo o que o seu corpo precisa para perder gordura de forma eficiente. Último detalhe: beba água, água, mais água, e nada mais do que água.

 

Sua dieta deve seguir estas orientações

 

Como orientação geral, consuma de 10-12 vezes seu peso corporal em calorias. Quanto maior a sua gordura corporal, menor é o número que você deve usar. Coma 0,7-1 grama de proteína por quilo de peso corporal e divida essa quantidade igualmente em 4-5 refeições. Você vai ter que medir sua gordura corporal para determinar sua massa corporal magra.

Certifique-se de que você está ingerindo ácidos graxos essenciais. Fontes boas destes nutrientes se encontram na semente de linhaça moída e, especialmente, através do óleo de peixe.

Você deve beber água (ou água com limão, limão, laranja, etc).

Preencha o resto de suas calorias com alimentos integrais, que não sejam industrializados.

Coma o quanto de vegetais verdes quanto possível. Eles são densos de nutrientes e possuem poucas calorias. Você pode comer uma fonte quase inesgotável destes alimentos sem qualquer preocupação em ganhar peso.

Embora não seja necessário, se você achar preciso pode manter a maioria de sua ingestão de carboidratos para a primeira parte da manhã e para o antes e pós-treino. Isto irá assegurar que você esteja comendo seus carboidratos quando sua sensibilidade à insulina está no ápice.

Tenha uma dieta rica em fibras. Estes nutrientes ajudam a retardar a digestão dos alimentos e mantém uma constante liberação de glicose. Uma jorrada de açúcar na corrente sanguínea seguida de um pico de insulina não é ideal. A insulina é um hormônio de armazenamento de gordura, por isso divida suas refeições durante o dia ao invés de ter poucas e grandes porções.

 

Para quem tiver dificuldades em  fazer seu próprio cárdapio o site  Contar Calorias  ajuda você,  Bonitas e Bonitos!!!!!!

Pais, abram o olho, vacinem seus filhos contra o vírus hpv o quanto antes!

 

hpv 2 hpv 3 hpv 4

hpv 5

http://www.dreamstime.com/-image7246161

A Doença

A infecção pelo HPV é a doença sexualmente transmissível mais comum atualmente. Esse grupo de vírus inclui mais de 100 tipos diferentes, dos quais mais de 30 são transmissíveis por via sexual, podendo causar lesões genitais tanto em mulheres como em homens.

Dos tipos que produzem infecções genitais (pele ou mucosa), há dois grandes grupos. O grupo de alto risco abrange os tipos que podem levar a alterações citológicas, reconhecidas no exame de Papanicolau, e evoluir para câncer de colo de útero e de outras regiões do trato genital. Já o grupo de baixo risco inclui as variantes que produzem alterações celulares discretas e verrugas genitais. Em geral, estas lesões não estão associadas à evolução maligna.

As lesões relacionadas ao HPV ocorrem em áreas como vulva, vagina, colo uterino, região perianal, reto e diferentes regiões do pênis.

Estima-se que 50% dos homens e mulheres sexualmente ativos vão adquirir o vírus em algum momento de suas vidas. Como a maioria dos infectados apresenta pouco ou nenhum sintoma, grande parte não sabe que porta o vírus.

Sabe-se que alguns meses depois da infecção, em geral ocorre a eliminação natural do vírus, de modo que 90% das mulheres infectadas estarão livres do vírus após dois anos.

Um estudo realizado no Brasil, no México e nos Estados Unidos aponta que a incidência de contágio do HPV em homens entre 18 e 70 anos é de 50%. E grande parte deles nem desconfia que está contaminado. “Um indivíduo pode viver por anos com o micro-organismo na surdina e só apresentar sintomas em um momento em que as defesas ficam debilitadas”, diz o urologista Gustavo Alarcon, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo.

 

Vacinas

 

o ideal é a administração da vacina para pré-adolescentes (meninos e meninas), antes do início da vida sexual, quando são maiores as chances de prevenir a infecção antes da exposição, também existe benefício para pessoas que já têm vida sexual ativa. Para essas últimas, não é necessária a coleta de exame específico para comprovar a ausência de infecção por HPV antes da aplicação da vacina.

As vacinas atuais são de uso exclusivamente preventivo, não tendo nenhum papel no tratamento de lesões genitais ou na eliminação de infecções pelo HPV prévias.

O esquema vacinal de ambas as formulações preconiza a aplicação de três doses. Para a quadrivalente a segunda dose deve ser aplicada dois meses após a primeira e a terceira, quatro meses após a segunda. Para a bivalente, esses intervalos são de um e cinco meses, respectivamente.

Devido à falta de estudos de longo prazo, recomenda-se seguir o calendário vacinal o mais próximo possível das datas preconizadas. Contudo, havendo atraso de alguns dias ou semanas, não haverá perda do efeito das vacinas, e não será necessário repetir doses já realizadas.

Os efeitos colaterais mais comuns são: dor no local de aplicação, febre, dores musculares e mal-estar geral. Há relatos esporádicos de síncopes após a aplicação da vacina. Embora este sintoma não pareça ter relação direta com a vacina do HPV, qualquer efeito colateral deve ser reportado ao médico.

Segundo o infectologista e assessor médico em Vacinação do Fleury, Jessé Reis Alves, as vacinas contra o HPV conferem uma imunidade de praticamente 100% contra as evoluções malignas causadas pelos subtipos do vírus relacionados com o câncer feminino.

Calcula-se que 3/4 da população feminina já tiveram contato com esse virús, responsável pela maioria dos casos de câncer de útero. Mesmo diante disso, há pais que fazem a opção de adiarem a vacinação de suas filhas, por acharem que isso irá estimular o início da sua vida sexual, existe um estudo feito no Hospital da Criança de Cincinnati, EUA pela pediatra Jessica Kahn, com 339 garotas de 13 a 21 anos, que constatou que isso não passa pela cabeça delas e que após 6 meses de serem imunizadas não apresenataram alteração no seu comportamento sexual, inclusive a maioria declarou estar consciente do uso da camisinha mesmo após a vacina. Com tudo isso a pediatra diz que espera que os pais não adiem mais a vacinação para seus filhos, hoje aqui no Brasil essa vacina já está disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Leia o artigo informativo que saiu em Set/2013 pela AMS.

Ministério da Saúde amplia faixa etária da vacina contra HPV

A vacina irá proteger meninas de 9 a 13 anos contra quatro variáveis do vírus. A partir do próximo ano, começa a vacinação para o grupo de 11 a 13 anos e, em 2015, para as adolescentes de 9 a 11 anos

O Ministério da Saúde está ampliando a faixa etária para a vacinação contra o vírus do papiloma humano (HPV), usada na prevenção de câncer de colo do útero. Já em 2014, meninas dos 11 aos 13 anos receberão as duas primeiras doses necessárias à imunização, a dose inicial e a segunda seis meses depois. A terceira dose deverá ser aplicada cinco anos após a primeira.

Com a adoção do esquema estendido, como é chamado, será possível ampliar a oferta da vacina, a partir de 2015, para as pré-adolescentes entre 9 e 11 anos de idade, sem custo adicional. Assim, quatro faixas etárias serão beneficiadas, possibilitando imunizar a população-alvo (9 a 13 anos). A modificação no esquema vacinal foi anunciada nesta quarta-feira (18) pelo secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, durante cerimônia de 40 anos do Programa Nacional de Imunizações (PNI), em Brasília.

“O esquema vacinal estendido adotado tem duas grandes vantagens. A primeira é que possibilita alcançar a cobertura vacinal de forma rápida com a administração das duas doses. Outro beneficio é que a terceira dose, cinco anos depois, funciona como um reforço, prolongando o efeito protetor contra a doença.” O Ministério da Saúde está investindo R$ 360,7 milhões na aquisição de 12 milhões de doses.

A inclusão do imunobiológico ao calendário do Sistema Único de Saúde (SUS) foi anunciada em julho deste ano. Na época, a previsão era de administrar a vacina em pré-adolescentes de 10 e 11 anos, com dose inicial, a segunda um mês depois e terceira seis meses após a inicial. Entretanto, o Ministério da Saúde decidiu adotar o esquema estendido baseado em estudos recentes que comprovam a eficácia desta medida. Além disso, a estratégia segue recomendação da Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) e foi discutida com especialistas brasileiros que integram o Comitê Técnico Assessor do Programa Nacional de Imunizações (PNI). Vale ressaltar que o esquema já é utilizado por países como Canadá, México, Colômbia, Chile e Suíça.

É a primeira vez que a população terá acesso gratuito a uma vacina que protege contra câncer. A meta é vacinar 80% do público-alvo, que atualmente soma 5,2 milhões de pessoas. O vírus HPV é responsável por 95% dos casos de câncer de colo do útero, apresentando a segunda maior taxa de incidência entre os cânceres que atingem as mulheres, atrás apenas do de mama.

A vacina, que estará disponível a partir de março de 2014 (1ª dose), é a quadrivalente, usada na prevenção contra quatro tipos de HPV (6, 11, 16 e 18). Dois deles (16 e 18) respondem por 70% dos casos de câncer. O imunobiológico para prevenção da doença é seguro e tem eficácia comprovada para proteger mulheres que ainda não iniciaram a vida sexual e, por isso, não tiveram nenhum contato com o vírus.

As três doses serão aplicadas nas pré-adolescentes com autorização dos pais ou responsáveis. A estratégia de imunização será mista, ocorrendo tanto nas unidades de saúde quanto nas escolas públicas e privadas. A incorporação da vacina complementa as demais ações preventivas do câncer de colo do útero, como a realização rotineira do exame preventivo (Papanicolau) e o uso de camisinha em todas as relações sexuais.

A inclusão da vacina no SUS foi possível graças ao acordo de parceria para o desenvolvimento produtivo (PDP), com transferência de tecnologia entre o laboratório internacional Merck Sharp & Dohme (MSD) e o Instituto Butantan, que passará a fabricar o produto no Brasil. A economia estimada na compra da vacina durante o período de transferência de tecnologia é de R$ 154 milhões. Além disso, a produção do imunobiológico contará com investimento de R$ 300 milhões para a construção de uma fábrica de alta tecnologia pelo Instituto Butantan, baseada em engenharia genética.

 

Proteínas ! Você conhece seus reais atributos ?

proteínas 1

 

É natural que você não tenha muita noção dos vários papéis das proteínas exceto ser um dos tipos de dietas das celebridades, que fazem secar!

A proteína exige uma queima calórica maior do que os carboidratos e gorduras, mas não a ponto de um indivíduo emagrecer, afirma Antonio Herbert Lancha Júnior, coordenador do laboratório de nutrição e metabolismo aplicado à atividade motora, mas é verdade que uma dieta com muita proteína faz a barriga ficar cheia por mais tempo, só que o empanturramento dela cobra um preço. Quem aposta em uma dieta com carnes gordurosas, queijos amarelos e afins, também tem uma digestão mais lenta, porém essa combinação submete o organismo a um longo tempo de jejum e aí então, o corpo se vê estimulado a economizar energia, então passa a formar mais gordura. Uma dieta com baixíssima ingestão de carboidrato, com a alegação de que eles liberam a insulina (hormônio ligado ao acúmulo de gordura) não é tão eficiente assim, pois qualquer macronutriente ingerido em excesso causa esse efeito, não somente o carboidrato, afirma a nutricionista Tânia Rodriguês da RG Nutri consultoria nutricional de SP. Leia Mais

Contar calorias, o site que realmente ajuda você por completo à perder peso!

Calorias vazias e calorias negativas… será que você está eliminando ou usando tais alimentos à seu favor na dieta?

Por Andrea Lane Nutricionista- ContarCalorias.

Conheça o SITE AQUI

 

contar calorias

 

contar calorias 1

 

Refrigerante, doces, batatas fritas … o que todos estes alimentos têm em comum? Eles são todos ricos em ‘calorias vazias’ e não deveriam fazer parte da sua alimentação, no máximo consumido em momentos esporádicos. E as ‘calorias negativas’? Fazem parte da sua dieta? Essas sim, devem estar no seu prato todos os dias. Entenda a diferença entre os termos e tome vantagem de certos alimentos para emagrecer comendo!

 

Calorias vazias

Alimentos com calorias vazias são aqueles que contém pouca ou nenhuma nutrição para o organismo, ou seja, quase inexistem benefícios para o seu corpo. Em 99% dos casos não só falta nutrição nesses alimentos (conhecidos como “junk food”), eles também podem trazer danos à sua saúde devido ao excesso de calorias em pequenas quantidades. Uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde revela que mais da metade da população brasileira consome açúcar em excesso. Não seja parte desta estatística! Grãos refinados como bolachas e pão branco fornecem uma quantia pequena de carboidratos porém esta será metabolizada e rapidamente transformada em açúcar no sangue, por isso prefira grãos integrais.

 

Calorias negativas

Esses alimentos simplesmente requerem mais energia (em calorias) para serem digeridos do que fornecem ao organismo. Um bom exemplo de alimento com calorias negativas é a ameixa, rica em fibra ela auxilia o trânsito intestinal e também mantém a saciedade por mais tempo, ajudando a emagrecer. Alimentos ricos em fibra são chave no conceito de Volumetria (que produzem volume no organismo), base do conceito da ferramenta gratuita de reeducação alimentar do site ContarCalorias. Nela, quando você anota no seu diário alimentar o que comeu, aparece o perfil nutricional de todos os alimentos ingeridos, com quantidade de carboidrato, açúcar, gordura e inclusive quantidade de fibra em cada alimento. Não importa o quanto de alimentos que você consome por dia, mas o valor nutricional deles e como esses nutrientes agem no seu organismo.

Agora que você já está com sua lista pronta para ir atrás de alimentos saudáveis que irão lhe ajudar no seu plano de emagrecimento, aproveite para riscar dessa mesma lista alimentos que contém calorias vazias. Lembre-se de que o processo de reeducação alimentar leva tempo, mude a sua alimentação aos poucos para que a mudança seja permanente e logo mais a palavra ‘dieta’ será substituída por ‘alimentação saudável’ no seu vocabulário ;).

Andrea Lane é Nutricionista formada pela San Diego State University em San Diego na Califórnia e também possui o título de DTR (Diet Tech Registered) n.1058174 pela Academy of Nutrition and Dietetics. Trabalhou com Nutrição Comunitária, Infantil e Materna por alguns anos antes de se integrar ao time do Contar Calorias Brasil.

Acessem também o BLOG do site com muitas dicas da nutricionista CLIQUE AQUI.

Cuidado com excesso de álcool !

gato-bebendo-cerveja-23

 

Cuidado para não exceder com a bebida alcoólica no carnaval, mas como isso é muito comum, uma dica para não ter ressaca no dia seguinte e não passar do ponto, ou seja literalmente não ficar bêbada (o), é beber intercalando com a bebida alcoólica a água, ela dilui o álcool e faz você urinar bastante fazendo como se fosse uma limpeza no organismo, colocando bastante álcool pra fora enquanto você coloca mais pra dentro…… rsssss! É uma dica simples, mas funciona! Também é fundamental você estar bem alimentada antes de ir pra folia, pois barriga vazia + álcool = passar muito mal, então, evite beber de estômago vazio!

 

bebendo água

 

Aproveitem com moderação!

Beijos